• Dom. Jun 23rd, 2024

Pesquisadores de IA desenvolvem chatbot ‘eu futuro’ para inspirar escolhas de vida sábias

ByGeni Ferreira

Jun 5, 2024

Se o seu plano de vida cuidadosamente elaborado foi arruinado por tempo no sofá, fast food, consumo excessivo de álcool e falta de contribuição para a previdência da empresa, pode ser hora de conversar com seu eu futuro.

Sem acesso imediato a uma máquina do tempo, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) criaram um chatbot impulsionado por IA que simula uma versão mais velha do usuário e oferece observações e pérolas de sabedoria. O objetivo é incentivar as pessoas a pensarem mais hoje sobre a pessoa que desejam ser amanhã.

Com uma foto de perfil que é digitalmente envelhecida para mostrar jovens usuários como idosos enrugados e de cabelos brancos, o chatbot gera memórias sintéticas plausíveis e baseia-se nas aspirações atuais do usuário para tecer histórias sobre sua vida bem-sucedida.

“O objetivo é promover o pensamento a longo prazo e a mudança de comportamento”, disse Pat Pataranutaporn, que trabalha no projeto Future You no Media Lab do MIT. “Isso pode motivar as pessoas a fazer escolhas mais sábias no presente, que otimizem para o seu bem-estar e resultados de vida a longo prazo.”

Em uma conversa, uma estudante que esperava ser professora de biologia perguntou ao chatbot, uma versão simulada de 60 anos dela mesma, sobre o momento mais gratificante de sua carreira. O chatbot disse que era uma professora de biologia aposentada em Boston e lembrou um momento especial em que ajudou um aluno com dificuldades a melhorar suas notas. “Foi tão gratificante ver o rosto do aluno iluminar-se com orgulho e realização”, disse o chatbot.

Para interagir com o chatbot, os usuários são primeiro solicitados a responder a uma série de perguntas sobre si mesmos, seus amigos e familiares, as experiências passadas que os moldaram e a vida ideal que imaginaram para o futuro. Em seguida, eles enviam uma imagem de retrato, que o programa envelhece digitalmente para produzir uma semelhança do usuário com 60 anos.

Depois, o programa alimenta as informações das respostas do usuário em um grande modelo de linguagem que gera memórias sintéticas ricas para o eu mais velho simulado. Isso garante que, quando o chatbot responde a perguntas, ele se baseia em uma história de fundo coerente.

A parte final do sistema é o próprio chatbot, alimentado pelo GPT-3.5 da OpenAI, que se apresenta como uma potencial versão mais velha do usuário, capaz de falar sobre suas experiências de vida.

Pataranutaporn teve várias conversas com seu “eu futuro”, mas disse que a mais profunda foi quando o chatbot lembrou-o de que seus pais não estariam por aí para sempre, então ele deveria passar tempo com eles enquanto pudesse. “A sessão me deu uma perspectiva que ainda é impactante para mim até hoje”, disse ele.

Os usuários são informados de que o “eu futuro” não é uma previsão, mas sim um potencial eu futuro baseado nas informações que forneceram. Eles são incentivados a explorar diferentes futuros mudando suas respostas ao questionário.

De acordo com um artigo científico preliminar sobre o projeto, que não foi revisado por pares, testes envolvendo 344 voluntários descobriram que conversas com o chatbot deixaram as pessoas menos ansiosas e mais conectadas aos seus eus futuros. Essa conexão mais forte deve encorajar melhores decisões de vida, disse Pataranutaporn, desde focar em objetivos específicos e exercitar-se regularmente até comer de forma saudável e economizar para o futuro.

Ivo Vlaev, professor de ciência comportamental na Universidade de Warwick, disse que as pessoas frequentemente lutam para imaginar seu eu futuro, mas fazê-lo pode levar a uma maior persistência na educação, estilos de vida mais saudáveis e um planejamento financeiro mais prudente.

Ele chamou o projeto do MIT de uma “aplicação fascinante” dos princípios da ciência comportamental. “Incorpora a ideia de um nudge – intervenções sutis projetadas para guiar o comportamento de maneiras benéficas – tornando o eu futuro mais saliente e relevante para o presente”, disse ele. “Se implementado efetivamente, tem o potencial de impactar significativamente como as pessoas tomam decisões hoje, com seu bem-estar futuro em mente.”

“Do ponto de vista prático, a eficácia provavelmente dependerá de quão bem ele pode simular conversas significativas e relevantes”, acrescentou. “Se os usuários perceberem o chatbot como autêntico e perspicaz, ele poderá influenciar significativamente seu comportamento. No entanto, se as interações parecerem superficiais ou artificiais, o impacto pode ser limitado.”